514624A Pixar é uma das maiores empresas de animação do mundo, que, em parceria com a Disney, deu vida a filmes incríveis como Toy Story, Monstros S.A., Up – Altas Aventuras e Divertida Mente.
Você sabia que a origem do estúdio tem a ver com Star Wars? Isso mesmo!
Bem antes da Pixar e da franquia Guerra nas Estrelas serem compradas pela Disney, foi George Lucas quem teve a ideia de criar uma divisão de animação visionária.
O cineasta teve a ajuda de três grandes nomes, talvez você tenha ouvido falar deles: Ed Catmull, que hoje é presidente da Pixar e Walt Disney Animation Studios; John Lasseter, que atua como chefe de criação da Pixar, Walt Disney Animation Studios e DisneyToon Studios; e Steve Jobs, co-fundador e presidente da Apple. Tá bom ou quer mais?

Bom, sem mais delongas, vamos ao que aconteceu:

Dois anos depois de lançar o primeiro Guerra nas Estrelas, Lucas criou uma divisão de animação dentro da Lucasfilm, a fim de desenvolver tecnologia de computação de ponta para a indústria cinematográfica. Ainda em 1979, ele recrutou o cientista da computação gráfica Ed Catmull, do The New York Institute of Technology, para comandar a Industrial Light & Magic, que fazia parte da Lucasfilm’s Computer Division e originalmente fora criada como o departamento de efeitos visuais para Star Wars. Nesta equipe, ele ajudou a desenvolver a tecnologia de imagem de composição digital usado para combinar várias imagens de uma forma convincente.

Em 1983, o animador John Lasseter, que havia sido demitido da Disney por diferenças criativas, foi convidado a se juntar ao time de animação gráfica da divisão de computação da Lucasfilm. Inicialmente trabalhando como freelance, Lasseter ajudou Catmull e seus colegas a fazer o primeiro curta animado por computador, The Adventures of André and Wally B., lançado em 1984. Lasseter, então, foi chamado para trabalhar em tempo integral na Lucasfilm’s Computer Division sob o cargo Designer de Interface, já que Catmull não podia contratar animadores.

John Lasseter e George Lucas no Festival de Veneza, em 2009.

Em 1986, a Lucasfilm estava mal das pernas. George Lucas tinha se endividado devido à construção do Rancho Skywalker – um rancho, literalmente, que serve como local de trabalho para o cineasta, pois ele prefere trabalhar recluso e olhando uma bela paisagem do que no meio de Hollywood. Alguns dizem que ele gastou US$50 milhões para montar o local, outros dizem que foram US$100 milhões – de qualquer forma, é muito dinheiro e Lucas estava quebrado.

Para quitar sua dívida, o diretor contava com o lucro da produção de Howard, O Super-herói (aquele mesmo pato que apareceu nos créditos finais deGuardiões da Galáxia), que custou US$35 milhões – sendo US$2 milhões somente para produzir a roupa do protagonista. O problema é que este foi um dos maiores fracassos de bilheteria de um filme protagonizado por um personagem da Marvel (bem antes dos estúdios dos super-heróis também serem comprados pela Disney, é claro), dando um prejuízo de US$ 21 milhões. E agora, o que Lucas faria?

Em 1986, ele foi obrigado a vender a divisão de animação da Lucasfilm, ou, pelo menos, um terço dela, a Computer Graphics Division. Quem a comprou?Steve Jobs, pouco depois que o empresário deixou a Apple Computer. Não demorou muito para a empresa independente, que tinha cerca de 44 funcionários, ganhar outro nome: Pixar.

O estúdio passou a fazer uma série de curtas animados, entre eles Luxo Jr. (1986) – o primeiro filme tridimensional animado por computador a ser indicado do Oscar – e Tin Toy (1988) – o primeiro filme animado por computador a ganhar uma estatueta do Oscar. E, então, em 1995, fez – em parceria com a Disney – o primeiro longa metragem completamente animado por computador, Toy Story – Um Mundo de Aventuras.

Em 2007, a Pixar foi comprada pela Disney, fazendo de Jobs o maior acionista da The Walt Disney Company, possuindo aproximadamente 7% das ações da empresa. Curiosamente, com a venda da Lucasfilm para a Disney em 2012,George Lucas se tornou o segundo maior acionista da companhia, logo atrás do patrimônio de Jobs.

Tudo começou junto, na Lucasfilm, e, hoje em dia, permanece junto… só que na casa do Mickey. Já deu para ver que está tudo em família, não é?

Vale lembrar que as próximas animações da Pixar a chegarem aos cinemas serão O Bom Dinossauro (com estreia prevista para o dia 7 de janeiro) eProcurando Dory (30 de junho). Star Wars – O Despertar da Força, que não foi dirigido por Lucas, está em cartaz nos cinemas.

COMPARTILHAR